Transições e terminais de impacto: soluções inovadoras para pontos negros

As estradas encurtam distâncias, aproximam pessoas, e por este motivo, é tão importante que se garanta ao máximo a sua segurança, para que cheguem sem percalços ao seu destino, quer o seu trabalho, quer a sua família ou os seus amigos. As diferentes administrações de nível nacional, regional e local mantêm identificados e atualizados os principais pontos negros das nossas vias, e na Metalesa estamos há muitos anos a participar em obras com as quais possamos dar soluções seguras a estas localizações concretas. Uma aposta clara na remodelação das nossas estradas inclui dotá-las de novas infraestruturas que cumpram o propósito de velar pela segurança rodoviária. É neste cenário que atuamos.

Troço Cullera-Favara: Um dos nossos últimos projetos de Segurança Rodoviária

Durante os últimos dois anos estivemos a trabalhar em Cullera na construção de um troço que representará indubitavelmente um marco para a melhoria das vias de comunicação da zona.

Tal como aponta José Luis Ábalos, ministro dos Transportes, Mobilidade e Agenda Urbana, 'esta atuação traduzir-se-á no melhoramento da segurança rodoviária ao criar um itinerário alternativo ao da estrada nacional atual, na sua passagem pelas duas localidades'.

O que é verdade é que há muitíssimo tempo que os residentes exigiam a conclusão desta infraestrutura, e finalmente poderão contar com a variante de Cullera e Favara, um troço incluído no corredor da A-38, que representa o maior investimento em matéria de infraestruturas jamais efetuado pelo Governo central na região valenciana da Ribera Baixa.

A Metalesa no projeto: instalação de transições e terminais de impacto

Na  Metalesa  encarregámo-nos de instalar mais de 15.000 metros de guarda de segurança metálica META16 com nível de contenção H3. Convidamo-los a sentarem-se para desfrutarem deste impressionante vídeo onde se vê o resultado de tanto trabalho.

https://www.youtube.com/watch?v=zd_MFsbvDIk

Mas o objetivo deste artigo é apresentar as transições e terminais de impacto, outros produtos de segurança rodoviária muito pouco habituais na Espanha, mas sem dúvida imprescindíveis nas estradas. Trata-se de barreiras de contenção muito específicas e que se irão generalizando quando os nossos governantes e técnicos da administração pública adquirirem uma maior sensibilidade para as situações que evitam.

Eliminação de pontos negros com transições e terminais de rail

Os pontos negros ou troços de concentração de acidentes (TCA) são troços da rede de estradas em que ocorre um grande número de acidentes de viação todos os anos.

Na Câmara Municipal de Cullera, afirmam que esta obra 'era de uma importância vital para se evitar que mais pessoas possam perder a vida'. Além disso, Oro Azorín, Presidente da Câmara Municipal de Favara, também considera que a instalação de transições e terminais de rail oferecerá ao povo um grande aumento da segurança rodoviária.

Fontes municipais de Cullera também garantem que é uma boa notícia para toda a Comunitat Valenciana, porque se estão a eliminar os pontos negros nas estradas que sofreram, especialmente as populações da costa.

Transições para estradas

A instalação de transições para estradas permite a união entre sistemas de contenção de naturezas diferentes, isto é, liga duas barreiras de segurança de diferente secção transversal ou diferente nível de contenção como, por exemplo, uma guarda de segurança metálica e uma barreira de betão do tipo New Jersey.

Na Metalesa temos uma Transição homologada concebida de forma versátil, isto é, que permite que se ligue tanto a nossa META13, de nível de contenção H2, como com a nossa META16, de nível de contenção H3, a uma barreira contígua de betão.

Trata-se de um dispositivo concebido e fabricado integralmente pela Metalesa, e homologado em conformidade com a norma francesa NF-058, o que implica que as transições que instalámos foram ensaiadas com choque à escala real de acordo com tal norma. Somos a única empresa espanhola que ensaiou à escala real transições entre diferentes sistemas de contenção, porque decidimos ir à frente da nossa concorrência. Consideramos que a norma francesa representa o futuro do que será estabelecido pela norma europeia que está atualmente em fase de redação pelos comités técnicos normalizadores, aos quais a Metalesa pertence.

Quais as vantagens da instalação de uma transição em estradas?

  • Fiabilidade do sistema: Face a um impacto lateral do veículo, comporta-se como uma barreira metálica convencional, garantindo assim a contenção e o reencaminhamento adequado do veículo.
  • De reparação fácil e peças de reparação disponíveis em stock.
  • Tratamento anticorrosão: Oferecemos diversas opções de acabamento para as transições para estrada, tanto galvanização a quente, como termolacagem, como um tratamento que combina ambos os processos.

Terminais, barreiras de contenção necessárias nas estradas

Os terminais de impacto para estradas são sistemas de contenção que se colocam nas extremidades de sistemas de contenção como guardas de segurança ou barreiras metálicas, para garantirem uma maior segurança face a um impacto frontal com tal conclusão. Dispomos de uma vasta gama de modelos de terminais de segurança rodoviária com diversas características e certificados, tendo todos eles sido testados mediante ensaios em laboratório acreditado de acordo com a norma EN 1317.

Oferecemos fornecimento e instalação de três modelos:

Modelo T50 – 50KM/H

Este terminal de impacto é ideal para ambientes urbanos, em zonas cuja velocidade máxima permitida não ultrapasse os 50 Km/H.

Modelo P2 – 80KM/H

O terminal de rail P2, contrariamente ao Modelo T50, é uma barreira de contenção de veículos que se utiliza em estradas, onde a velocidade permitida não seja superior a 80Km/H.

Modelo P4 – 110KM/H

Este terminal é uma barreira de contenção que também foi pensada para ser instalada em estradas, mas em vias de alta velocidade. Dispomos de vários modelos homologados de ancoragem ao terreno, tanto para terreno de betão, como para terreno de terra.

Não há dúvida de que, projetos como a construção do Troço Cullera-Favara, que incluem infraestruturas para a segurança rodoviária como as nossas transições e terminais de segurança rodoviária, demonstram que existe realmente um compromisso de fazer com que as estradas sejam vias seguras que sirvam para o que dissemos no início deste artigo: aproximar as pessoas. Para mais informações, ligue-nos para o nº 96 088 99 44 ou envie-nos um e-mail para metalesa@metalesa.es


Continua a aumentar a procura de Transições entre guardas de segurança META13/16 e barreira de betão

A METALESA concluiu os trabalhos de fabrico e montagem dos sistemas de contenção de veículos concebidos para o viaduto no trajeto de Aix-Noulette em França. Além de 170 metros de guarda de segurança metálica META16 com nível de contenção H3, foram instaladas 4 unidades de Transição META16 com barreira de betão, produto único desta natureza que foi ensaiado à escala real por uma empresa espanhola de segurança rodoviária.

Este produto representa uma aposta de há alguns anos da METALESA para dar solução a um dos principais pontos negros das estradas europeias, as uniões entre sistemas com diferentes níveis de contenção. A empresa trabalha há anos noutras soluções para abranger o maior leque possível de transições.


Segurança em zonas urbanas e na estrada para os ciclistas

Como especialistas em Segurança Rodoviária, um dos nossos trabalhos deve ser o fomento de uma maior consciencialização para a segurança das pessoas, tanto em zonas urbanas como em estradas. Neste sentido, embora os nossos produtos estejam destinados a tornar mais segura a vida das pessoas, na Metalesa propomo-nos ir mais além e queremos contribuir com o nosso grãozinho de areia neste processo contínuo de consciencialização.

No post de hoje falamos-lhes sobre a segurança dos ciclistas quando circulam por zonas urbanas ou estradas. Não há dúvida de que é um dos grupos mais vulneráveis, sofrem uma grande quantidade de acidentes, e é um problema ao qual se deve dar uma solução.

Para começar, aqui estão alguns dados: em 2014 morreram 75 ciclistas nas estradas espanholas, em 2015 foram 55 e em 2016 o número reduziu-se para 33. Dito isto, embora a tendência para acidentes de ciclistas parecesse estar em decréscimo no último lustro, o que é verdade é que em maio de 2017 estes valores já se duplicaram, e em 2020 36 ciclistas perderam a vida, número surpreendente após os longos meses de confinamento.

No início do artigo fizemos referência ao facto de os nossos produtos serem destinados a garantir a segurança. Não obstante, as pessoas também devem fazer a sua parte para atingirmos este objetivo. Apresentamos em seguida alguns conselhos úteis, tanto para os ciclistas como para os condutores, para garantirmos a segurança dos ciclistas, tanto em zonas urbanas, como em estradas.

Tudo o que um ciclista deve saber para garantir a sua segurança

Embora possa haver fatores externos que ponham em perigo a sua segurança, é importante que o ciclista saiba como se proteger:

  • Conhecer o regulamento sobre circulação: saber o que pode fazer na estrada e o que não pode permitirá que esteja mais consciente dos perigos.
  • Se na estrada não houver ciclovia, é preferível circular por estradas com berma, e muito melhor se tiverem pouco trânsito.
  • Recomenda-se a utilização de roupa apelativa para se tornar mais visível. Aqui também incluímos a cor do capacete, que é obrigatório.
  • Verificar as rodas, travões e luzes de vez em quando. Uma coisa tão rápida como uma simples verificação pode salvar a vida ao ciclista. Relativamente às luzes, é importante que se tenha em conta que se devem usar, tanto na parte dianteira, como na traseira em horas de pouca luz. Além disso, é obrigatório acender as luzes quando se circula pelo interior de um túnel, seja que hora for.
  • Uso do retrovisor. Este dispositivo é menos comum do que deveria ser. São muito poucos os ciclistas que decidem acoplar à sua bicicleta um retrovisor, mas é indubitavelmente um componente muito útil para o aumento da segurança, além de ser barato.

Que é que um condutor de um veículo deve ter em conta para garantir a segurança dos ciclistas?

  • É importante que se tenha em conta que, ao ultrapassar um ciclista, o ar que desloca o veículo pode desequilibrá-lo. Por isso, numa ultrapassagem deve-se deixar pelo menos 1,5m de espaço lateral como distância de segurança.
  • Caso se observe a presença de ciclistas, deve-se reduzir a velocidade e ter cuidados redobrados.
  • Não se deve tocar a buzina para avisar o ciclista sobre a presença do veículo, porque pode assustá-lo, distraí-lo e provocar-lhe uma queda.
  • É muito importante que se saiba quando é que os ciclistas têm prioridade. Por exemplo, um grupo de ciclistas tem prioridade quando iniciou o cruzamento ou entrou numa rotunda.

Só com mais respeito pela prioridade de passagem e pela distância de segurança é que se poderá reduzir significativamente o número de vítimas ciclistas.

Estamos conscientes de que talvez sejam conselhos que parecem muito óbvios, mas não é mau recordá-los tendo em conta que, estatisticamente, a maior parte dos acidentes ocorre precisamente devido ao incumprimento de algum destes conselhos.

Melhorias em Segurança Rodoviária para os ciclistas através do urbanismo

Não só as pessoas ganham cada vez mais consciência, mas também o fazem as cidades, orientando o seu planeamento para modelos mais eficazes, tanto a nível de segurança como de sustentabilidade. Neste sentido, o fomento da mobilidade urbana através do uso da bicicleta encontra-se na ordem do dia, o que implica pensar num reordenamento urbano ambicioso que passe pela implantação de ciclovias. Com efeito, estamos a ver que as cidades implementam cada vez mais quilómetros de ciclovias.

Como é que garantimos a segurança dos ciclistas a partir da Metalesa?

A proteção é a nossa meta. Por isso, concebemos e fabricamos produtos de segurança rodoviária especialmente pensados para tal.

O nosso guarda-corpos ciclopedonal M009 é um sistema de contenção para ciclistas que não pode faltar nas zonas urbanas, nem nas estradas, para se reduzir a taxa de sinistralidade dos ciclistas.

Localiza-se em extremidades de pontes ou muros de coroação para se evitar a queda de peões e ciclistas no vácuo. Distingue-se de um guarda-corpos normal pela sua altura, de 1,3 a 1,5 metros, o que impede que os ciclistas a transponham, o que é perfeitamente possível com guarda-corpos tradicionais de 1 metro ou menos para peões.

Além disso, todos os componentes do guarda-corpos são protegidos contra a corrosão mediante revestimento ao critério do cliente: galvanização a quente, termolacagem ou simultaneamente ambos os tratamentos.

A termolacagem permite que se facilite a integração estética dos guarda-corpos ciclopedonais no ambiente, dado que podemos pintá-los em qualquer cor do catálogo RAL.

Num post anterior fizemos referência à forma como a tecnologia 5G nas cidades poderá ajudar a garantir a segurança ao máximo. Talvez chegue um dia em que os ciclistas deixem de ser um grupo vulnerável, graças ao desenvolvimento de ferramentas baseadas na conetividade sem fios. Não obstante, na Metalesa, apoiamos evidentemente o progresso tecnológico e os grandes avanços que ele pode proporcionar à segurança rodoviária, mas também queremos aproveitar para efetuar uma chamada à responsabilidade de cada um. A segurança diz respeito a todos!


UNE EN 1317 standard.

O que é a norma UNE EN 1317?

Na Metalesa a nossa missão está muito clara: velar pela segurança do que mais nos importa; as pessoas. Por este motivo, garantimos que os nossos produtos cumpram as normas estabelecidas. A seriedade e o profissionalismo são o que nos define. As nossas guardas de segurança foram submetidas a ensaios à escala real em laboratórios acreditados com base na norma UNE EN 1317.

 

O que é a norma UNE EN 1317?

Trata-se de uma norma estabelecida em 1 de janeiro de 2011 pela União Europeia que certifica a qualidade e a segurança dos sistemas de contenção de veículos. Baseia-se em submeter estes sistemas como, por exemplo, guardas de segurança ou rails, a uma metodologia de ensaio, seguindo critérios específicos e homologáveis em toda a Europa. Entre muitas outras coisas, a norma UNE EN 1317 harmoniza os ensaios de impacto simulando acidentes à escala real que envolvem veículos, manequins como condutores e o próprio sistema de contenção. Desta forma, avalia-se tanto o comportamento do sistema como se este sistema de contenção é seguro para os próprios condutores.

A configuração de cada ensaio varia totalmente em função do nível de contenção que se esteja a ensaiar. Varia desde o veículo envolvido até à velocidade de impacto, entre 50 e 80 km/h, ou o ângulo de incidência, que costuma ser de 20º. Após o impacto avaliam-se os danos, tanto do sistema de contenção, como do reforço sobre o qual se ancorou, como dos manequins. Desta análise conclui-se um conjunto de parâmetros técnicos que caracterizam o comportamento do sistema, deflexão dinâmica, largura de trabalho, índice de severidade e índice de intrusão.

Sendo assim, o que é exatamente um sistema de contenção?

Um sistema de contenção de veículos é uma barreira que pode ser fabricada com vários materiais, e que é utilizada para diminuir as consequências de um acidente na estrada. Os metálicos têm a vantagem de absorver uma grande parte da energia cinética do choque e favorecem a recondução da trajetória do veículo. Por este motivo, a severidade do impacto é muito menor, demonstrando assim uma grande contribuição para a segurança rodoviária. No entanto, por vezes as circunstâncias da via exigem um sistema de betão com menor capacidade de absorção e menor deformação. Em geral, costumam ter uma maior afetação nos ocupantes do veículo. Cabe às administrações públicas nacionais, regionais ou municipais estudar e decidir em que pontos das suas estradas ou ambientes urbanos é mais urgente instalar sistemas de contenção de veículos com base na perigosidade dos troços e em antecedentes de sinistralidade.

Fatores a analisar aplicando a norma UNE EN 1317

Durante a execução dos ensaios à escala real em laboratório acreditado analisa-se um conjunto de parâmetros que caracterizam cada sistema de contenção.

Nível de contenção

Indica a capacidade de um SCV de suportar a carga de impacto de um veículo. A seleção do nível de contenção que uma barreira de segurança a instalar nas margens de uma estrada deve ter dependerá do risco de acidentes, que por sua vez é definido pela velocidade da via e pelo valor de intensidade média de veículos pesados em cada sentido no momento da colocação ao serviço.

Gravidade do impacto

O impacto de um veículo contra um SCV implica riscos evidentes para os seus ocupantes. A gravidade destes riscos no interior do habitáculo é determinada mediante o nível de severidade de impacto. Este é calculado a partir da combinação dos valores de desaceleração (ASI) e de impacto na cabeça (THIV).

 

Deformação do sistema

O comportamento de um SCV caracteriza-se pela deslocação transversal do dispositivo durante o impacto. Este fica definido nos ensaios através dos parâmetros de deflexão dinâmica (D), largura de trabalho (W) e índice de intrusão (VI).

Na nossa web dedicamos espaços concretos ao esclarecimento de qualquer dúvida que possa existir sobre a norma UNE 1317.

Além disso, na nossa secção de perguntas frequentes dedicada a guardas de segurança metálicas antecipamos as questões que normalmente recebemos de empresas de engenharia ou de construção sobre a interpretação da norma.

A norma UNE EN 1317 aplicada aos nossos produtos

Guardas de segurança

As nossas guardas de segurança são barreiras metálicas de segurança que se instalam tendo em vista atuar como sistemas de contenção de veículos. Comercializamos muitos modelos diferentes que foram submetidos aos ensaios oportunos para podermos certificar a norma UNE EN 1317 e que, portanto, acreditam a marcação CE.

Na nossa web podem-se visualizar os vídeos dos ensaios efetuados como, por exemplo, o da guarda de segurança metálica META16 de nível de contenção H3.

Também concebemos, desenvolvemos e comercializamos transições entre sistemas de contenção com marcação NF depois de terem superado com êxito ensaios em laboratório em conformidade com a norma francesa NF 058. Deve-se ter em conta que a UNE EN 1317 carece de concreção para se avaliarem e acreditarem com marcação CE as transições entre guardas de segurança entre si, ou entre guardas de segurança e outros tipos de barreiras.

Guardas de segurança H2 e H3, guardas de segurança urbanas e mistas, barreiras de proteção… São alguns dos nossos produtos cuja finalidade principal consiste em garantir a segurança rodoviária.

Guarda-corpos e vedações

Os guarda-corpos e vedações que fabricamos e instalamos seguem altos padrões de qualidade, para podermos oferecer a máxima proteção possível, tanto em estrada como em vias urbanas. Além disso, todos eles são submetidos a um tratamento de proteção contra a corrosão.

Tal como no caso das guardas de segurança, os guarda-corpos e vedações também são sistemas de contenção concebidos e calculados nos nossos departamentos de I+D+i e de Cálculo de Estruturas seguindo parâmetros traçados pela regulação europeia em vigor. Temos uma grande variedade destes produtos para nos adaptarmos às exigências que o setor da segurança rodoviária requer:

Guarda-corpos: De aço, aço inoxidável, com cabo e com chapa perfurada.

Vedações: Metálicas, antivandalismo e eletrossoldadas.

Com tudo isto, é evidente que os sistemas de contenção de veículos não podem faltar nas nossas estradas, e também não pode faltar uma norma como a UNE EN 1317 que se encarregue de regular e garantir o seu cumprimento correto. Na Metalesa encaramos muito a sério a segurança rodoviária a partir de um olhar eficiente e inovador, que nos leva a continuar a crescer e apostar no que é melhor.

Gostaria de obter mais informações sobre a Norma UNE EN 1317 e os nossos produtos de segurança rodoviária? Não hesite em contactar-nos


Menos um ponto negro nas nossas estradas: diferenças entre terminais e amortecedores de impacto

Los accidentes por salida de la calzada pueden suponer daños, no sólo al vehículo que impacta y sus ocupantes, sino a las personas o instalaciones situadas en las proximidades de la carretera, o incluso a los vehículos que circulan por otras vías cercanas.

Os acidentes por saída da estrada podem implicar danos, não só no veículo que impacta e nos seus ocupantes, mas também nas pessoas ou instalações situadas nas proximidades da estrada, ou até mesmo nos veículos que circulam por outras vias próximas.

Cerca de 40% das mortes nas estradas devem-se a saídas da via. Uma forma efetiva de reduzir esta percentagem tão alarmante é a instalação de sistemas de contenção. Também conhecidos como barreiras de contenção, trata-se de dispositivos localizados à margem ou na berma da estrada, e que procuram atenuar as consequências dos acidentes quando estes ocorrem. Impedem quedas por declives acentuados, impactos contra obstáculos ou a invasão de outras vias de circulação. Quando a saída da via ocorre, o veículo impacta contra o sistema de contenção, que o deve reconduzir à faixa, conseguindo uma redução do número de acidentes graves.

Existem diferentes tipos de sistemas de contenção. Mais concretamente, neste artigo vamos centrar-nos na função dos terminais de impacto e dos amortecedores de choque ou atenuadores de impacto, mas primeiramente vamos fazer uma breve revisão de outros tipos de sistemas de contenção existentes para estradas.

 

Tipos de sistemas de segurança para estradas

  • Guardas de segurança: são barreiras de contenção de veículos especialmente concebidas para serem instaladas sobre pontes, obras de passagem ou muros de sustentação no lado do desnível. As nossas guardas de segurança metálicas, a guarda de segurança META13 e a guarda de segurança META16, superaram todos os ensaios de choque necessários à escala real de acordo com a regulação europeia UNE EN 1317, de forma que acreditaram parâmetros de comportamento excelentes.
  • Transições: A instalação de transições para estradas permite a união entre sistemas de contenção de naturezas diferentes, isto é, liga duas barreiras de segurança de diferente secção transversal ou diferente nível de contenção como, por exemplo, uma guarda de segurança metálica e uma barreira de betão do tipo GBA.
  • Rails: são barreiras com menor nível de contenção de que existem por sua vez numerosos modelos.

 

Terminais de rail e amortecedores de impacto. Quais é que são as suas diferenças?

As barreiras de segurança chamadas rails costumam terminar nas suas extremidades com fórmulas de abatimento do terreno. Em situações concretas de acidente com perda de controlo e saída de via, este mecanismo de terminação pode representar um risco grave para os veículos e os seus ocupantes. Por exemplo, um veículo descontrolado pode investir contra o rail e este perder a sua ancoragem ao terreno, atravessando o veículo como uma lança. Outras vezes existe o risco de o veículo sair projetado para o ar perdendo o contacto com o pavimento e acabando normalmente por rolar. Em ambos os casos, os acidentes costumam ser da máxima gravidade e provocar o falecimento dos seus ocupantes.

Para se atenuar este tipo de situações, temos dois tipos de produtos, semelhantes entre si, mas com claras diferenças, os terminais de impacto e os amortecedores de choque ou de impacto, dispositivos de segurança rodoviária indubitavelmente muito necessários para se evitar que os acidentes por colisão tenham um desenlace fatal.

As principais diferenças entre ambos são duas:

  • Os amortecedores de impacto têm marcação CE, enquanto os terminais não a têm. Os primeiros são regulados pela norma europeia EN 1317-3, enquanto os segundos só têm uma pré-norma que não está em vigor, a prEN 1317-7.
  • Os terminais, tal como o seu próprio nome indica, estão inerente e solidariamente unidos a um rail, são uma forma correta de terminação. Mas não se podem instalar nem atuam sozinhos, por si mesmos. No entanto, os atenuadores ou amortecedores de choque podem ser instalados e trabalhar isoladamente, simplesmente para proteger contra a colisão frontal com um obstáculo.

Terminais de impacto para estradas

Os terminais de impacto para estradas, também chamados terminais de rail ou terminais de barreiras de segurança, são sistemas de contenção que se colocam nas extremidades dos rails nas estradas. Estes dispositivos têm uma alta capacidade de deformação para absorverem a energia do impacto do veículo e, deste modo, fazerem com que o choque não tenha consequências tão graves.

Na Metalesa dispomos de uma gama de terminais de segurança rodoviária que cobre qualquer tipo de via e condições de tráfego. Todos superaram de forma satisfatória os ensaios acreditados em conformidade com a pré-norma europeia prEN 1317-7.

Sem entrarmos em muitos detalhes, algumas das vantagens destes terminais de impacto são as seguintes:

  • Permitem a união a um rail de onda dupla ou tripla, com alternativas de cimentação, tipo de terreno e ancoragens.
  • Aplicável tanto a rail de um como dois lados.
  • Ausência de risco de intrusão de componentes do produto face ao impacto.
  • Componentes comuns entre modelos facilitam a disponibilidade de stock e o fornecimento ágil de qualquer modelo.

Fabricamos e instalamos os seguintes modelos de terminais de rail:

Modelo T50 – 50KM/H

Este terminal de impacto é utilizado sobretudo nos ambientes urbanos, em zonas em que a velocidade máxima permitida seja inferior a 50 Km/H.

Modelo P2 – 80KM/H

O terminal de rail P2 é instalado em estradas em que a velocidade permitida não seja superior a 80 Km/H.

Modelo P4 – 110KM/H

Este terminal de segurança rodoviária foi concebido para ser instalado em vias de alta velocidade. Dispomos de vários modelos homologados de ancoragem ao terreno, tanto para piso de betão, como para piso de terra.

Amortecedores de impacto ou atenuadores de choque

Um amortecedor de choque é um sistema de contenção ligeiramente mais complexo. Composto por um maior número de componentes do que o terminal de impacto, que lhe conferem uma maior capacidade de deformação para absorver energia e travar um impacto. Tal como dissemos anteriormente, os amortecedores de impacto podem ser instalados isolados, sem ligação a um sistema de contenção do tipo guarda de segurança ou rail. Localizações habituais são bifurcações, saídas de vias rápidas, etc.

Não há dúvida de que o amortecedor de impacto é um dos dispositivos que mais vidas pode salvar. Com efeito, estes dispositivos são capazes de evitar até 80% das mortes na estrada por choque frontal. Por isso, não é de estranhar que desde 1989, ano em que começaram a ser implantados na Espanha, a instalação dos amortecedores de impacto tivesse ficado totalmente normalizada, contrariamente aos terminais que estão a começar a ser consolidados nos últimos anos.

[media image="13524"]

O amortecedor de choque, um sistema de segurança rodoviária de estrutura complexa

O amortecedor de choque ou amortecedor de impacto apresenta uma estrutura complexa, em forma de meccano, apoiada na base por um muro de betão, e formada por "painéis de aço telescópicos" que, quando o impacto ocorre, se introduzem uns nos outros, fazendo com que a maior parte da energia do choque seja absorvida de uma forma controlada. Deste modo, por um lado, minimiza-se a devolução de energia ao veículo, o qual se deforma muito menos do que no cenário de impacto contra um muro rígido sem capacidade de deformação. E por outro lado, impede-se o reencaminhamento do veículo para a via, atenuando as consequências do envolvimento de outros veículos.

Instalação dos atenuadores de impacto e as suas vantagens

Os amortecedores de choque são instalados nos pontos negros das estradas ou passagens de nível para diminuírem os danos que podem ser provocados, tanto no veículo, como nos seus ocupantes. Antes da instalação de um amortecedor de choque nas estradas, deve-se analisar muito bem a localização. Os lugares mais indicados para a instalação dos atenuadores de choque são pontos com altas percentagens de acidentes frontais, protegendo obstáculos como bifurcações, saídas de vias rápidas, pilares de pontes ou barreiras.

Na Metalesa encarregamo-nos de instalaramortecedores de impacto homologados em conformidade com a norma UNE EN 1317-3, que define as condições de ensaio para se obter a marcação CE.

Quanto às suas vantagens como produto, podemos destacar as seguintes:

  • Variedade de modelos paralelos, largos e semilargos (0,3 – 2,3 m)
  • O amortecedor de choque permite qualquer tipo de transição para barreira existente. Opções aprovadas para permitirem a união a rail de onda dupla ou tripla
  • O atenuador de impacto pode ser instalado sobre laje de betão ou diretamente sobre o terreno, mantendo todas as suas prestações contempladas na
  • marcação CE.
  • Componentes comuns entre modelos de amortecedores de choque facilitam a disponibilidade de stock e o fornecimento ágil.
  • Em caso de impacto é totalmente reutilizável e de reparação fácil.
  • Ausência de risco de intrusão de componentes do produto face ao impacto.

A Metalesa levou a cabo projetos importantes com a instalação de sistemas de contenção, tanto de terminais como de amortecedores. A nossa empresa oferece a mais vasta gama do mercado. Isto demonstra a importância e o compromisso que temos com a melhoria contínua das estradas. Se quiserem mais informações, podem contactar-nos ligando para o nº. 96 088 99 44 ou enviando um e-mail para metalesa@metalesa.com.


O que é um amortecedor de impacto?

Não é novidade que as autoridades públicas estão cada vez mais sensibilizadas para a segurança rodoviária. A instalação de equipamentos de proteção dos veículos e dos seus ocupantes está cada vez mais generalizada, tendo também aumentado a sua qualidade e eficácia.

Um dos dispositivos mais eficazes e que mais vidas salva é o amortecedor de impacto. São dispositivos protetores compostos por uma estrutura deformável que recolhe e trava o veículo que choca contra ele, absorvendo o impacto no todo ou em parte, e diminuindo consideravelmente, tanto as vítimas como as lesões e imperfeições.

Os amortecedores de impacto são capazes de evitar até 80% das mortes na estrada por choque; por isso, não é de estranhar que desde 1989, ano em que começaram a ser implantados na Espanha, a instalação dos atenuadores de impacto esteja totalmente normalizada.

Também chamado 'Amortecedor de choque', esta infraestrutura de segurança rodoviária é um produto que foi muito testado desde a sua invenção. Os primeiros modelos de amortecedores de impacto só cumpriam parcialmente o seu propósito e as consequências dos choques continuavam a ser graves, tanto para o veículo como para os ocupantes. Não obstante, com os anos a conceção do amortecedor de impacto foi sendo aperfeiçoada até ao ponto de se poder afirmar que é atualmente um produto essencial para salvar vidas na estrada.

O amortecedor de choque tem uma estrutura complicada, em forma de meccano, apoiada na sua base por um muro de betão e formada por "painéis telescópicos" de aço que, face ao impacto, são empurrados uns contra os outros, mediante carris feitos de chapa, impedindo assim que o sistema se deforme e destrua.

Suportando estes painéis no interior há várias secções, ou traves, em forma de caixa, cheias de espuma de poliuretano ou com vários tubos de alumínio, dependendo do modelo. Os dois elementos deformam-se face ao impacto, desempenhando a importante missão de absorver toda a energia do choque, dado que, se permanecessem rígidos, ou voltassem à sua posição inicial após o choque, o efeito seria semelhante a uma mola em que o veículo ressaltasse, dirigindo-o novamente para a via e agravando as consequências do sinistro por se poderem envolver outros veículos.

Com efeito, estes materiais são os únicos que se devem substituir no caso em que tenham sofrido o impacto de um veículo.

Modelos de amortecedores de impacto

Antes da instalação de um amortecedor de choque na estrada, deve-se estudar muito bem em que ponto exato é que se deve colocá-lo, dado que uma posição correta é fundamental para que o amortecedor de impacto funcione realmente como 'salva-vidas'. Se estiver convenientemente situado, um amortecedor de impacto recebe uma média de 0,8 a 1,9 impactos por ano, o que representa o salvamento de 0,13 vidas.

O lugar apropriado para a instalação do amortecedor de choque costuma ser o de zonas com altas percentagens de acidentes frontais, protegendo obstáculos rígidos como pilares de pontes, bifurcações, saídas de vias rápidas ou barreiras. que se instala nos pontos mais perigosos da estrada, como pontos negros, barreiras ou passagens de nível, tendo em vista reduzir os danos que podem ser sofridos pelos veículos, condutores e passageiros ao colidir.

As dimensões do amortecedor de impacto e a sua conceção são calculadas tendo em conta a velocidade máxima permitida em tal estrada, de forma que a essa velocidade possa parar a totalidade do impacto. No caso em que o carro ultrapasse a velocidade permitida, não o poderá parar totalmente, mas reduzirá consideravelmente as consequências do impacto.

Na  Metalesa  encarregamo-nos de instalar amortecedor de impacto homologados em conformidade com a norma UNE EN 1317-3, que define as condições de ensaio para se obter a marcação CE. Apresentamos em seguida os modelos que comercializamos.

Existem amortecedor de impacto para suportarem diferentes níveis de energia, atenuadores do tipo e peso do veículo e da velocidade de impacto. Dependendo da velocidade real a que um impacto ocorra, o sistema atuará no todo ou em parte, podendo inclusive ser insuficiente para travar a totalidade do impacto.

Amortecedores de impacto de classe 110

Amortecedores de choque de classe 80

Vantagens dos amortecedores de impacto

 

  • Como podem observar nas imagens anteriores, existe uma grande variedade de amortecedores de impacto; podem ser modelos paralelos, largos e semilargos.
  • Os amortecedores de choque permitem qualquer tipo de transição para barreira.
  • Este dispositivo de proteção pode ser instalado sobre laje de betão ou sobre o terreno.
  • Os amortecedores de choque são facilmente reparáveis caso um veículo colida contra a estrutura.
  • Não há risco de os componentes do dispositivo de proteção poderem danificar o condutor no momento do impacto.

Não há dúvida de que os amortecedores de impacto estão atualmente convertidos num dos dispositivos de segurança rodoviária mais necessários nos pontos mais perigosos das estradas, e com a sua instalação foi possível salvar milhares de vidas. Na Metalesa encarregamo-nos de instalar este tipo de estruturas, de forma que peça-nos orçamento se necessitar e teremos muito gosto em atendê-lo(a).


Por um Natal seguro na estrada

Encontramo-nos em plenas festas natalícias, momento em que costumamos reunir-nos com os nossos entes queridos, percorrendo por vezes muitos quilómetros para voltarmos a casa. Para nós, o melhor presente de Natal é que todos os condutores cheguem sãos e salvos aos seus destinos.

Dados que, embora não goste, temos que lhe dizer:

De acordo com as estatísticas da DGT, na parte do ano que já passou faleceram 1.085 pessoas, face às 952 vítimas mortais em acidentes de viação nas estradas espanholas registadas nas mesmas datas do ano passado. 26% das vítimas mortais registadas não usavam cinto de segurança, infração para a qual a pena foi aumentada durante a alteração da regulamentação deste ano.

Não são dados que gostemos de indicar, mas, se quiser consciencializar os condutores para a importância de se ter cuidado na estrada neste Natal, deve-se expor a realidade tão crua como é. Oxalá que, no próximo ano, este valor se reduza ao mínimo possível. Façamos tudo o que estiver ao nosso alcance para atingir este objetivo.

Acidentes de viação: porque é que acontecem mais na época natalícia?

  • No Natal aumentam as deslocações aumentam:Calcula-se que nesta época se efetuam aproximadamente 16 milhões de deslocações. Quanto mais carros, mais possibilidades de se sofrer um acidente; por isso, é fundamental que se intensifiquem os cuidados ao volante.
  • Aumento do consumo de álcool: Os almoços e os jantares natalícios destacam-se pela alegria, a comida deliciosa, e como regra geral, algum copo a mais. Algo tão simples e efetivo como o famoso ‘se beber, não conduza’, lamentavelmente não é seguido à risca, e cada Natal, um número considerável de condutores dá positivo no teste de alcoolemia, representando um grande perigo para a segurança dos condutores e a deles mesmos.
  • Condições climáticas adversas: O tempo invernal pode jogar contra nós. Os fortes ventos, as estradas geladas, o nevoeiro ou as chuvas multiplicam a perigosidade nas estradas. Estas condições climáticas adversas dificultam o domínio do veículo e podem desencadear acidentes, de forma que é importante que se reduza a velocidade, que se mantenha uma distância segura aos outros veículos e se conduza com os cinco sentidos na estrada.
  • Excesso de velocidade: O excesso de velocidade é a principal causa de acidentes de viação no Natal. São datas em que costumamos preocupar-nos com as compras de última hora e os imprevistos… Mas a velocidade na estrada nunca é uma boa opção. Pense antes de atuar!

A proteção é a nossa meta: Descubra os nossos produtos

Seja Natal ou não, seja que data for, a segurança rodoviária não entende de férias e nós estamos sempre presentes. Os nossos produtos, tanto em estradas espanholas como internacionais, cuidam cada dia das pessoas que viajam, protegendo as pessoas, para salvarem vidas.

Apresentamos-lhes em seguida alguns dos produtos que concebemos, fabricamos e instalamos na Metalesa para garantirmos a segurança do que mais nos importa: as pessoas. Porque merecem um Natal repleto de muito amor e felicidade.

Equipamento para pontes

As pontes nas estradas representam troços mais perigosos para os condutores; por isso, encarregamo-nos de os dotar de medidas de proteção através da instalação de equipamento para pontes.

Guardas de segurança metálicas

Uma guarda de segurança metálica é um sistema de contenção de veículos homologado em conformidade com a norma UNE EN 1317 partes 1 e 2, de forma que, pelo facto de ter superado os ensaios pertinentes à escala real, obteve a marcação CE. Coloca-se em obras de passagem, coroações de muros, tabuleiros de pontes, etc.

Temos a guarda de segurança metálica META13® e a guarda de segurança metálica META16®, imprescindíveis como elementos para garantirem a segurança rodoviária.

Algumas das suas vantagens:

  • Ambos as guardas de segurança admitem a colocação de barreiras acústicas e de vedações antivandalismo a uma distância muito curta da guarda de segurança.
  • Caso ocorra o choque de um veículo, a reposição dos elementos é rápida e económica.
  • É muito versátil com a possibilidade de colocação de grelhas ou sistemas de proteção de motoristas
  • Longa duração mediante galvanização em descontínuo, permite a termolacagem nas diferentes cores do catálogo RAL.

Guarda-corpos para pontes

Os guarda-corpos para pontes funcionam como sistema de contenção para pessoas ou outros veículos de mobilidade pessoal.

Dispomos de uma grande variedade de modelos de guarda-corpos de aço para pontes que são de instalação fácil, podendo escolher os acabamentos e cores de termolacagem mais adequados para a integração do guarda-corpos na paisagem.

Também fabricamos guarda-corpos de aço inoxidável, com cabo de aço ou outras conceções que satisfarão qualquer requisito do projeto.

METALESA_barandilla M003

Impostas para pontes

Uma imposta metálica para pontes é um elemento que remata o canto do tabuleiro da ponte, para permitir o alojamento de condutas de eletricidade, gás ou água ou para revestimento. Este tipo de equipamento para pontes embeleza a ponte, proporcionando-lhe não só funcionalidade, mas também elegância.

Cornijas para pontes

Tal como acontece  com as impostas, as cornijas para pontes são um tipo de equipamento para pontes que também reforça a estrutura, proporcionando-lhe uma maior rigidez, e permite o alojamento de condutas de eletricidade, gás ou água. São muito habituais em França.

Amortecedores de impacto

Os amortecedores de impacto são considerados como um dos dispositivos mais eficazes para salvar vidas. São compostos por uma estrutura deformável que trava o veículo no caso de choque, absorvendo o impacto, diminuindo consideravelmente as consequências graves do acidente.

Na Metalesa dispomos de uma grande variedade de modelos, que é fundamental que sejam colocados numa posição correta na estrada, para que possam desempenhar a sua função. Cada modelo é adequado para suportar diferentes níveis de energia, dependendo do peso, do tipo de veículo e da velocidade de impacto. Além disso, estes estão homologados em conformidade com a norma UNE EN 1317-3, que define as condições de ensaio para a obtenção da marcação CE.

Neste Natal vamos acompanhá-lo em todas as suas viagens. Queremos protegê-lo para que o seu destino não seja outro senão o de se reunir com aqueles que tanto ama. Os nossos produtos nas estradas salvam vidas, mas nunca baixe a guarda porque a Segurança Rodoviária não entende de festividades. A proteção é a nossa meta!


Nova gama de amortecedores de impacto

Todos os dias ouvimos notícias terríveis relacionadas com acidentes de viação. Um acidente pode ocorrer por diversos motivos, desde despistes ao volante, passando por um excesso de velocidade, até condições meteorológicas, ou inclusivamente um deficiente estado de manutenção do veículo. Na Metalesa estamos empenhados no fomento das boas práticas na área da Segurança Rodoviária, mas sendo realistas, os acidentes continuarão sempre a ocorrer, e trabalhamos e inovamos todos os dias para que as suas consequências sejam as menores possíveis.

Amortecedores de impacto: sistemas de contenção de veículos indispensáveis nas estradas

Um amortecedor de impactos é um sistema de contenção que se instala em pontos especialmente perigosos como bifurcações de vias, aumentando consideravelmente o nível de segurança de uma via e diminuindo as vítimas de acidentes de viação.

Trata-se de um produto de Segurança Rodoviária pouco conhecido no nosso país, mas muito eficaz e testado, tanto em ambientes de laboratório, como nas suas múltiplas instalações em estradas reais de muitos países à nossa volta. No mercado pode-se encontrar sob nomes semelhantes - amortecedor de impacto, amortecedor de impacto, ou amortecedor de choque - mas todos se referem ao mesmo tipo de dispositivo:

Na Metalesa oferecemos uma gama muito completa de amortecedores de impacto que seguramente cobrirá qualquer casuística apresentada na fase de projeto, e que gerará uma grande melhoria da Segurança Rodoviária nas nossas estradas.

Como é que um amortecedor de impacto funciona?

Este dispositivo tem uma estrutura de células de aço, unidas entre si e ancoradas ao terreno ou a uma cimentação de betão.

Quando um impacto frontal ocorre, o sistema absorve a energia do veículo de forma controlada, graças a um comportamento em que cada peça se vai deformando e encastrando na seguinte até parar totalmente o veículo em espaços muito curtos. A absorção de energia minimiza a devolução de energia ao veículo, o qual se deforma muito menos em comparação com um impacto com um obstáculo sem capacidade de absorção. Este é o segredo para a redução drástica dos danos no veículo, e das consequências para os seus ocupantes. Por outro lado, o amortecedor de impacto amortece e "ensaca" o veículo, impedindo que ressalte e saia projetado em direção à via onde poderia chocar contra outros veículos.

Outra das principais características de um amortecedor de impacto é o facto de ser instalado e funcionar de forma autónoma, isto é, trata-se de um sistema de contenção em si mesmo, que não necessita de ser ligado ou fixado a qualquer outro elemento.

É esta característica que o distingue dos terminais que, como o seu próprio nome indica, são os dispositivos com os quais se pode concluir de forma correta e segura uma barreira de segurança rodoviária.

Se estiver interessado num terminal de impacto, aceda a esta ligação para ver o nosso catálogo de terminais.

Onde é que se instalam os amortecedores de impacto?

Há múltiplas localizações onde um amortecedor de choque pode ser eficaz. Muitos deles costumam ser pontos negros das nossas estradas, isto é, troços em que ocorre um elevado número de acidentes por ano, categoria determinada pela DGT, autoridade competente na Espanha.

Os mais habituais protegem o veículo contra obstáculos onde se pode provocar um impacto frontal, por exemplo, bifurcações, saídas de autoestradas, pilares de pontes, separadores de faixas em portagens.

Conheça as vantagens da instalação de amortecedores de impacto

  • Dispomos de uma grande variedade de modelos que satisfazem os requisitos de qualquer projeto e circunstância.
  • Todos os modelos têm a marcação CE em conformidade com a norma UNE EN 1317-3, graças a ensaios à escala real em laboratório.
  • O amortecedor de impacto funciona de forma isolada, sem ligação a qualquer outro sistema de contenção.
  • Pode ser instalado diretamente sobre o terreno ou sobre laje de betão.
  • Não há risco de intrusão de componentes no interior do veículo.
  • Muito fácil de reparar ou repor peças em caso de acidente.
  • Quase não necessitam de manutenção e limpeza para o seu funcionamento correto
  • Durabilidade anticorrosão garantida, graças ao facto de o próprio produto ser composto por chapas galvanizadas em contínuo.
  • Caso o cliente deseje, pode-se efetuar termolacagem em qualquer cor do catálogo RAL

Conheça a nossa nova gama de amortecedores de impacto

 A nossa gama de amortecedores de impacto tem 11 modelos, e temos stock de todos eles. Deixamos-lhe as imagens dos modelos:

Como deve saber, na nossa nova página web pode pedir-nos orçamento para qualquer produto. No caso dos amortecedores de impacto, entre nesta página e clique simplesmente no botão 'adicionar' do amortecedor de impacto em que esteja interessado.

Também dispomos de amortecedores de impacto para áreas urbanas

Alguns dos modelos disponíveis foram concebidos para as características de circulação de ambientes urbanos, onde também existem numerosos perigos e obstáculos que comprometem a Segurança Rodoviária, quer se trate de postes, quer de sinais de trânsito, semáforos, árvores, etc. Embora alguns deles possam inclusivamente ter sido concebidos para protegerem os peões, podem eventualmente constituir um risco para a vida dos condutores de um veículo que colida com eles. Por isso, na Metalesa dispomos de amortecedores de Impacto concebidos para cidades e zonas de velocidade reduzida de até 50 km/h.

As vantagens anteriormente descritas aplicam-se igualmente a estes modelos urbanos. Por cidades seguras!

A nossa nova gama de amortecedores de impacto foi concebida para proteger o que mais nos importa: as pessoas. E por este motivo devemos efetuar a difusão deste produto para que seja instalado cada vez mais nas estradas espanholas, que ficarão mais seguras.

Para concluirmos este artigo, aproveitamos para os informar de que a nossa nova secção de Webinar terá início com uma conferência muito interessante sobre os amortecedores de impacto. Não o pode perder! Registe-se nesta ligação.

Se necessitar de entrar em contacto connosco, não hesite em ligar-nos para o nº 96 088 99 44 ou enviar-nos um e-mail para metalesa@metalesa.com


Viaducto sobre el río Tajo - Proyecto Seguridad Vial

A METALESA conclui o viaduto sobre o rio Tejo da linha de alta velocidade Madrid-Extremadura

Em abril de 2019 a METALESA concluiu os trabalhos adjudicados no troço Cañaveral-Barragem de Alcántara do projeto de construção de plataforma da linha de alta velocidade Madrid-Extremadura, Tayuela Cáceres.

Neste troço destaca-se um viaduto sobre o rio Tejo de 1.488 metros de comprimento, com um arco central emblemático de 324 metros de vão. De igual modo, foram projetadas duas pontes, sobre o Regato de Cuervo, de 162 metros e sobre a calçada romana Vía de la Plata, de 114 metros.

A METALESA foi responsável por fabricar e instalar todo o equipamento metálico do troço, em concreto mais de 3.000 metros de barreira de proteção avifauna, 636 metros de guarda-corpos ADIF, 226 metros de vedação antivandalismo ADIF e 180 metros da nossa guarda de segurança META16 com nível de contenção H3 para as passagens superiores.

Com este projeto, a METALESA continua a consolidar a sua posição de empresa de referência na implementação da rede nacional de alta velocidade, em que tem participado ativamente desde há muitos anos, com uma grande quantidade de projetos recentes no Y basco e na linha Madrid-Galiza.


Pretiles metálicos en proyecto METALESA

A abertura da variante da Pobla del Duc evita traçados perigosos

A METALESA contribuiu na melhoria da segurança da nova via que passa paralelamente à atual CV-611 pelos confins municipais de Benigànim, Quatretonda e La Pobla del Duc.

A empresa interveio neste projeto, resolvendo um dos principais objetivos do mesmo: melhorar a segurança rodoviária do tráfego mediante a instalação de 420 m da guarda de segurança metálica META13 (nível de contenção H2, uma grande opção entre as guardas de segurança metálicas), em duas pontes de características semelhantes sobre o barranco de Torrella e o barranco de Forcall com comprimentos totais de 110 e 100 metros, respetivamente. Com isso, resolve-se a problemática de acessibilidade e funcionalidade, ao mesmo tempo que se dotou o traçado de um mais alto nível de comodidade, evitando curvas perigosas para os condutores, melhorando-se em planta e alçado, e reduzindo-se o tempo de percurso.

Pretiles metálicos en METALESA

 

Outro objetivo foi o aumento da secção transversal da plataforma, que facilita a circulação dos veículos, e a melhoria da capacidade de suporte do piso, para se conseguir uma rodagem mais cómoda. A atuação também pretendia melhorar a sinalização e balizagem, as infraestruturas de drenagem longitudinal e transversal e a sua integração paisagística no ambiente.

A obras abrangeram um comprimento de 3.179 metros no troço que tem início na rotunda existente nos arredores do núcleo urbano de Benigànim, no P.Q. 4+250, até à rotunda de interseção com a CV-611 do caminho da estação ferroviária.

A estrada é composta por duas faixas, uma em cada sentido, com uma largura de 3,5 metros, bermas nos dois lados de 1,5 metros, acostamentos de 0,5 metros e valetas tradicionais ou de segurança no lado do desbravamento.

Continue pendente do nosso blogue para estar atualizado sobre todos os projetos e avanços que efetuamos na METALESA.